20. O Patrimônio, o Sonho da Fotografia, a Tipografia, o Colégio...

Se por um lado Hércules Florence era minucioso em seus relatos (viagem, invenções) por outro, pouco deixou de registros quanto a vida da cidade e sua participação nela, seus relacionamentos, enfim, algo mais detalhado como havia feito em seu Diário de Bordo e em seus Manuscritos sobre as invenções.

A Casa de Hércules no centro de Villa São Carlos

A Casa de Hércules no centro de Villa São Carlos

A Casa

Ele possuiu uma casa à Rua do Rosário, n.20, da Vila São Carlos, doação do sogro Francisco Álvares Machado: terreno e dinheiro para construção, em 1839. Na foto, é a casa com beiral. Ali se dedicava à família e às suas invenções. Atualmente, sua localização seria à Rua Barão de Jaguara, em frente ao monumento-túmulo do Maestro Antônio Carlos Gomes.

Fazenda Soledade

Fazenda Soledade

O Sítio

As terras da fazenda Soledade, em 1856, por herança de sua sogra, Cândida Maria de Vasconcellos Barros para seus filhos. (Estrada de Amparo). Um sítio e terras, divisando de um lado com as terras de seus filhos (Fazenda Soledade), em 1860.

A Tipografia

Além das atividades comerciais, reproduzindo (cópias) documentos, em sua poligrafia, realizou também incursões em comércio de tecidos que trazia do Rio de Janeiro e uma fábrica de chapéus. A tipografia foi adquirida em 1836, sendo a primeira a funcionar em Campinas. Nela imprimiu-se o histórico jornal O Paulista, primeiro do interior da Província de S. Paulo (1842), sendo o Padre Diogo Feijó, o diretor de redação.

Nela Hércules Florence imprimiu também as Cartas Pastoraes do Bispo Conde D. Antônio Joaquim de Mello e atendeu sua clientela, como era seu objetivo, deixando a Poligrafia somente para imprimir desenhos.

Finalmente foi vendida aos jornalistas que fundaram o "Aurora Campineira".

O Colégio Florence

Foi fundado pela educadora, Carolina Florence, em 3 de novembro de 1863, com instalações provisórias.

Em 1865, o Colégio foi inaugurado no prédio construído com o desenho de Hércules Florence em local que hoje seria à Rua José Paulino, entre R. Bernardino de Campos e Benjamin Constant. O Colégio destinava-se à educação feminina.

Carolina veio da Europa com sua família, e pensava em criar um colégio aqui no Brasil. Havia recebido importantes e atualizados fundamentos pedagógicos na Suiça.

Colegio Florence: Desenho de Hércules Florence

Colegio Florence: Desenho de Hércules Florence

Nesse Colégio, Hercules Florence foi professor de desenho e cuidou também das atividades administrativas. Em 1889, depois de 25 anos funcionando em Campinas, o Colégio foi transferido para a cidade de Jundiaí, tentando escapar da febre amarela que atacava a cidade. Segundo a pesquisadora e autora do livro "Educação Feminina", Carolina e Hércules formaram ao que se depreende, o primeiro casal participante da vida pública, principalmente no que se referia à formação educacional. O endereço era rua das Flores, atual José Paulino, entre Benjamin Constant e Bernardino de Campos.